sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Cartilha: A economia solidária no Rio Grande do Sul

A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO RIO GRANDE DO SUL
Resultados do 2º Mapeamento e cadeias produtivas solidárias no estado

Cartilha:

https://drive.google.com/file/d/0B_2nfmpfqzwAVWZsZmNTQnIySzQ/edit?usp=sharing


Subsídio informativo resultado. Projeto em Parceria da Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (SESAMPE) / Departamento de Incentivo e Fomento à Economia Solidária (DIFESOL) e Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Projeto de ampliação do Mapeamento de empreendimentos de economia solidária no Rio Grande do Sul e estudo das cadeias produtivas solidárias no estado
Professora coordenadora: Marília Veronese
Coordenação de campo: Cláudio Ogando
Consultora Estatística: Patrícia Kuyven
Auxiliar administrativo: Leonardo Scavoni
Redação, editoração e gráficos: Cláudio Ogando
Para citação bibliográfica: SESAMPE-DIFESOL, 2013. A economia solidária no Rio Grande do Sul. Resultados do 2º Mapeamento e cadeias produtivas
solidárias no estado. Unisinos. São Leopoldo.
Tiragem: 2.500 exemplares
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Agradecimentos 
Gostaríamos de agradecer, em primeiro lugar, à Nelsa Nespolo, pela
idealização deste projeto e pela dedicação à economia solidária, que nos
inspira e motiva ainda mais. E também à Maribel, por todo o apoio na
Sesampe/Difesol. Gostaríamos de agradecer à Profa. Vera Schmitz, que então
à frente da incubadora Tecnosociais da Unisinos, realizou a coordenação da
primeira fase deste segundo mapeamento, não só no estado do Rio Grande do
Sul, mas em toda a Região Sul. Um trabalho levado em uma perspectiva de
cooperação e rede, juntamente com outras entidades de apoio que ajudaram na
realização do mapeamento, a quem também agradecemos.  Ao Prof. Luiz Inácio
Gaiger, pelo apoio de sempre junto ao Grupo de Pesquisa em Economia
Solidária e Cooperativa da Unisinos. Ao Valmor Schiochet, pela ajuda
contínua em todo o trabalho relacionado ao SIES.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Imigrantes

19/08/2014

Imigrantes


A cidade de Caxias do Sul tornou-se, nos últimos meses, centro de atenção em virtude da presença de numerosos novos rostos de imigrantes.


Achamos louvável a reportagem do Fantástico sobre a presença destes em Caxias e outras cidades da Serra Gaúcha.


Lamentamos, porém, algumas manifestações de rejeição, que são contrárias ao espírito acolhedor e solidário de nossa gente. A prova disso foi o envolvimento de pessoas e instituições que se empenharam, através de doações e encaminhamentos necessários, para regularizar sua permanência entre nós, como gestos de bem acolher a todos.


O nosso povo é gente de fé, trabalho e solidariedade. Nessa terra, que ergueu o Monumento Nacional ao Imigrante, ninguém pode ser considerado estrangeiro.


Caxias do Sul, 19 de agosto de 2014.

 

+ Alessandro Ruffinoni
Bispo Diocesano



http://www.diocesedecaxias.org.br/site/conteudo_noticias.php?cod_noticia=2536

domingo, 17 de agosto de 2014

A economia solidária como alternativa à globalização econômica

Texto: Edília Santa Catarina Menin, José Antônio Somensi e M. Fernanda M. Seibel


Foto: M. Fernanda M. Seibel
A sexta etapa da Escola de Formação Fé, Política e Trabalho 2014.ano 11, aconteceu nos dias 16 e 17 de agosto. A Escola é coordenada pelas Cáritas de Caxias do Sul, com o apoio do Instituto Humanitas Unisinis – IHU, e nessa etapa trouxe como tema “A economia solidária como alternativa à globalização econômica. Experiências práticas” e contou com a assessoria da professora Dra. Vera Regina Schmitz, da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Hoje o modelo capitalista governa em todos os espaços da Terra, modelo que sabemos ser excludente, individualista, competitivo e marcado pela propriedade privada, e a Economia Solidária contrasta com este modelo porque, como nos fala a professora Vera, propõe decisão coletiva-democrática, economia solidária com organização que privilegia o trabalho associativo, a cooperação e a autogestão e o respeito a natureza. 
Foto: Branca Sólio
A professora Vera trouxe além dos conceitos citados acima da Economia Solidária, vários exemplos de cooperativas e associações que surgiram a partir de situações de vulnerabilidades, marginalização, desemprego surgidos pela visão apenas do capital.

O pensamento cooperativista tem inicio no capitalismo industrial, e esteve presente nas lutas de resistência à revolução industrial nos séculos XIX e XX. Os primeiros pensadores do cooperativismo foram: Robert Owen (1771-1859), Carlos Fourier (1772-1837), Saint-Simon (1760-1825), Louis-Blane (1811-1822), Pierre Joseph Proudhon (1809-1865).

Assim, a economia solidária resgata o cooperativismo operário presente nas lutas de resistência da revolução industrial nos séculos XIX e XX.

Dessa forma, a economia solidária é o conjunto de atividades econômicas organizadas (produção, comercialização, finanças e consumo), e realizadas solidariamente por trabalhadores e trabalhadoras, com trabalho associado, com cooperação e autogestão.

Na visão do economista Paul Singer o ‘novo cooperativismo’ é a volta aos princípios onde se dá valor à democracia e a igualdade dentro de empreendimentos, a insistência na autogestão e o repúdio ao assalariamento. A Economia Solidária busca o equilíbrio entre o econômico e o social.

Ainda, os valores da economia solidária são os da autogestão, democracia, cooperação, solidariedade, respeito à natureza, promoção da dignidade e valorização do trabalho humano, tendo em vista um projeto de desenvolvimento sustentável.

Foto: Branca Sólio
A Sra. Nelsa Nespolo, Diretora de Economia Solidária no DIFESOL (Departamento de Incentivo e Fomento à Economia Solidária), da SESAMPE (Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa), do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, apresentou as políticas públicas para a economia solidária existentes no Rio Grande do Sul. Entre os projetos, citou a Cadeia Solidária Binacional do PET, que pretende consolidar uma cadeia produtiva no setor de reciclagem da garrafa PET, contribuindo para a geração de uma maior renda aos trabalhadores envolvidos no processo de transformação do PET em flake, depois em fibra e, por último, em tecido. (http://www.sesampe.rs.gov.br/?model=conteudo&menu=283). Também citou as cadeias produtivas do peixe e das frutas nativas. 
 
Foto: Branca Sólio                                                                                                                                                              Foto: Branca Sólio










Ainda, para ilustrar estas iniciativas estiveram conosco relatando suas experiências:
> a Presidente da Associação de Recicladores Interbairros, Eva, explicou sobre a organização da associação, que iniciou em 1997, e atualmente cria alternativa de trabalho e renda para aproximadamente 10 pessoas associadas;

> o ex-Presidente da representante da
Associação de Recicladores Serrano, Luis; explicou sobre a organização da associação, que iniciou em 1998, e cria alternativa de trabalho e renda para aproximadamente 30 pessoas associadas;
Foto: M. Fernanda M. Seibel
 





   
Fotos: Branca Sólio  

> Presidente da Cooptel - Cooperativa Gaúcha de Hotéis e Turismo Ltda., João Andreis (primeira cooperativa de hotel no Brasil), e explicou sobre a organização da cooperativa de trabalhadores e trabalhadoras que assumiram a administração do antigo hotel 'Alfredinho' – http://coophotel.blogspot.com.br/;

> o cooperado da
Ecocitrus – Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí, João, que explicou o histórico da Cooperativa, a produção ecológica e biodinâmica, e a organização da cooperativa - http://www.ecocitrus.com.br/;

> a
Associação de Microcrédito Popular e Solidário - ACREDISOL / RS que surgiu de uma iniciativa de alunos desta escola em 2007, e foi fundada em 08/12/2007 por alunos e ex-alunos da Escola de Formação Fé, Política e Trabalho, inspirados na prática transformadora de Muhammad Yunnus (Prêmio Nobel da Paz 2006) na Índia - http://acredisol.blogspot.com.br/. Ficha de Associado-a da ACREDISOL:
https://drive.google.com/folderview?id=0ByrA1-J2C5RXQzluZlRwVmNmZ28&usp=sharing

Ademais, a professora Vera, relatou a existência das entidades de apoio a economia solidária, como Cáritas, Igrejas e Pastorais, organizações não governamentais e incubadoras de economia solidária ligadas a universidades.

A economia solidária também se organiza e articula no Fórum Brasileiro de Economia Solidária, existindo instâncias municipal, regional, estadual e nacional; nas cadeias produtivas; nas redes.

Esclarecendo que o FBES, Fórum Brasileiro de Economia Solidária
http://www.fbes.org.br/, está organizado em todo o país em mais de 160 Fóruns Municipais, Microrregionais e Estaduais, envolvendo diretamente mais de 3.000 empreendimentos de economia solidária, 500 entidades de assessoria, 12 governos estaduais e 200 municípios pela Rede de Gestores em Economia Solidária. E, que o FBES é fruto do processo histórico que culminou no I Fórum Social Mundial (I FSM), que contou com a participação de 16 mil pessoas vindas de 117 países, nos dias 25 a 30 de janeiro de 2001. Dentre as diversas oficinas, que promoviam debates e reflexões, 1.500 participantes acotovelam-se na oficina denominada “Economia Popular Solidária e Autogestão” onde se tratava da auto-organização dos/as trabalhadores/as, políticas públicas e das perspectivas econômicas e sociais de trabalho e renda.
 

A assessora também abordou as tecnologias sociais, que viabiliza economicamente os empreendimentos, de forma orientada para o mercado interno, promove a participação coletiva, e é geradora de trabalho e renda. 
 
Foto: M. Fernanda M. Seibel
Assistimos o documentário Encontro com Milton Santos ou O mundo global visto do lado de cá (http://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM), do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, que discute os problemas da globalização e do globalitarismo. E, também o vídeo Cadeias Produtivas na Economia Solidária (https://www.youtube.com/watch?v=Y_YMBUyk3_k).

Ainda, tivemos a participação do Prof. Laurício Neumann, com seu acompanhamento e apoio constantes durante o todo curso.

A próxima etapa da ocorrerá nos dias 20 e 21 de setembro e o tema será: “Democracia participativa: políticas públicas e sociais, espaços de participação e controle social. A função dos conselhos paritários”, com a assessoria da professora Dra. Marilene Maia – Unisinos.

..............................................................................................................................................


Saites:

O FBES, Fórum Brasileiro de Economia Solidária




DIFESOL (Departamento de Incentivo e Fomento à Economia Solidária), da SESAMPE (Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa), do Governo do Estado do Rio Grande do Sulhttp://www.sesampe.rs.gov.br/?model=conteudo&menu=108


Livro:
O Prof. Laurício Neumann sugeriu o filme A FORÇA DO POVO que registra a prática de uma administração municipal com a participação da comunidade na busca de soluções criativas e apropriadas à realidade local. Os protagonistas de Lages são os contadores de causos, músicos, trovadores e artesãos das "mostras do campo", jovens e adultos que participam dos encontros culturais, o pessoal das associações de moradores, dos núcleos agrícolas, das hortas comunitárias, agentes que fazem funcionar o programa de medicina comunitária, pessoas que constroem suas casas em mutirão e recolhem doações de materiais, crianças e professores que vivem uma nova pedagogia, pequenos comerciantes que se organizam numa associação, o grupo de teatro de bonecos Gralha Azul e um fazendeiro que critica esta opção administrativa comunitária. O livro A FORÇA DO POVO pode ser acessado em: https://drive.google.com/file/d/0B_2nfmpfqzwAcENhZFdOelktQ0U/edit?usp=sharing.


Documentários:


Encontro com Milton Santos ou O mundo global visto do lado de cáVídeo: http://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM
Documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização e do globalitarismo.
Milton Santos foi um dos intelectuais mais importantes do país e também foi o maior geógrafo brasileiro. Escreveu mais de 40 livros. Publicou seu trabalho na França, na Inglaterra, nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão, em Portugal e na Espanha. Deu aula nas principais universidades do mundo. Recebeu prêmios e foi o único pensador, fora do mundo anglo-saxão, a ganhar o Vautrim Lud, uma espécie de Nobel da Geografia.
Durante toda a sua vida acadêmica, Milton Santos buscou agregar a Geografia às contribuições de outras disciplinas: Economia, Sociologia, História, Filosofia. Nos últimos anos de vida, seu trabalho mostrava uma clara preocupação com a Globalização. Crítico dos processos econômicos que excluíam as nações mais pobres, Milton Santos acreditava num mundo mais humano, mais solidário e justo.



O Banqueiro dos Humildes


(Le Banquier des humbles, Índia/França, 2000). - De Amirul Arham.  

https://www.youtube.com/watch?v=Md12zaRCCnA


Documentário. Duração 52’. Vida Social. - Em Bangladesh, Muhammed Yunus, economista de renome, aceitou o desafio de só conceder empréstimos aos pobres, sem preconceitos econômicos ou políticos. Criou, assim, o primeiro banco de micro-crédito, o Grameen Bank. O princípio é simples: permitir que os mais desfavorecidos e em particular as mulheres possam ter acesso ao capital para financiar suas atividades. Esta formidável revolução silenciosa afeta milhões de indivíduos, reinventando duravelmente a relação entre o banqueiro e os seus clientes. Sondagem sobre um homem notável, este documentário oferece uma mensagem de esperança: e se a miséria deixasse de ser uma fatalidade?




O veneno está na mesa
Documentário do diretor Silvio Tendler, apresentando que o Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.



Outros vídeos:

A revolução dos côcos




Tecnologias sociais para finanças solidárias




Justa Trama






Revolução do Consumo




Cadeias Produtivas na Economia Solidária
 https://www.youtube.com/watch?v=Y_YMBUyk3_k



Coopeserrana - Caixa Melhores Práticas em Gestão Local 2005/06  
https://www.youtube.com/watch?v=bWk1cTcYWg0

Ecocitrus – Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí

Indústria de Sucos e Óleos Essenciais Orgânicos da Ecocitrus 

 https://www.youtube.com/watch?v=dkkdr4s4sl4

Entenda melhor como a Ecocitrus produz o biogás - GNVerde
 

https://www.youtube.com/watch?v=ZWX7D-Y9YD0

Ecocitrus no PROBIOGÁS - Parceria entre Brasil e Agência Alemã de Cooperação Internacional -- GIZ
https://www.youtube.com/watch?v=X6a13BSiQhQ



Fórum de Recicladores do Vale do Sinos


FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária

O FBES está organizado em todo o país em mais de 160 Fóruns Municipais, Microrregionais e Estaduais, envolvendo diretamente mais de 3.000 empreendimentos de economia solidária, 500 entidades de assessoria, 12 governos estaduais e 200 municípios pela Rede de Gestores em Economia Solidária.

O FBES é fruto do processo histórico que culminou no I Fórum Social Mundial (I FSM), que contou com a participação de 16 mil pessoas vindas de 117 países, nos dias 25 a 30 de janeiro de 2001. Dentre as diversas oficinas, que promoviam debates e reflexões, 1.500 participantes acotovelam-se na oficina denominada "Economia Popular Solidária e Autogestão" onde se tratava da auto-organização dos/as trabalhadores/as, políticas públicas e das perspectivas econômicas e sociais de trabalho e renda. 


Saites

O FBES, Fórum Brasileiro de Economia Solidária

DIFESOL (Departamento de Incentivo e Fomento à Economia Solidária), da SESAMPE (Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa), do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.
http://www.sesampe.rs.gov.br/?model=conteudo&menu=108

Vídeos

A revolução dos côcos


Tecnologias sociais para finanças solidárias


Justa Trama


Revolução do Consumo


Cadeias Produtivas na Economia Solidária
https://www.youtube.com/watch?v=Y_YMBUyk3_k

Coopeserrana - Caixa Melhores Práticas em Gestão Local 2005/06
https://www.youtube.com/watch?v=bWk1cTcYWg0

Ecocitrus – Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí

Indústria de Sucos e Óleos Essenciais Orgânicos da Ecocitrus
https://www.youtube.com/watch?v=dkkdr4s4sl4

Entenda melhor como a Ecocitrus produz o biogás - GNVerde
https://www.youtube.com/watch?v=ZWX7D-Y9YD0

Ecocitrus no PROBIOGÁS - Parceria entre Brasil e Agência Alemã de Cooperação Internacional -- GIZ
https://www.youtube.com/watch?v=X6a13BSiQhQ


Fórum de Recicladores do Vale do Sinos

Documentários

Encontro com Milton Santos ou O mundo global visto do lado de cá
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM
O mundo global visto do lado de cá, documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização e do globalitarismo.
Milton Santos foi um dos intelectuais mais importantes do país e também foi o maior geógrafo brasileiro. Escreveu mais de 40 livros. Publicou seu trabalho na França, na Inglaterra, nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão, em Portugal e na Espanha. Deu aula nas principais universidades do mundo. Recebeu prêmios e foi o único pensador, fora do mundo anglo-saxão, a ganhar o Vautrim Lud, uma espécie de Nobel da Geografia.
Durante toda a sua vida acadêmica, Milton Santos buscou agregar a Geografia às contribuições de outras disciplinas: Economia, Sociologia, História, Filosofia. Nos últimos anos de vida, seu trabalho mostrava uma clara preocupação com a Globalização. Crítico dos processos econômicos que excluíam as nações mais pobres, Milton Santos acreditava num mundo mais humano, mais solidário e justo.


O Banqueiro dos Humildes

(Le Banquier des humbles, Índia/França, 2000). - De Amirul Arham. https://www.youtube.com/watch?v=Md12zaRCCnA

Documentário em Cores. Duração 52'. Vida Social. - Em Bangladesh, Muhammed Yunus, economista de renome, aceitou o desafio de só conceder empréstimos aos pobres, sem preconceitos econômicos ou políticos. Criou, assim, o primeiro banco de micro-crédito, o Grameen Bank. O princípio é simples: permitir que os mais desfavorecidos e em particular as mulheres possam ter acesso ao capital para financiar suas atividades. Esta formidável revolução silenciosa afeta milhões de indivíduos, reinventando duravelmente a relação entre o banqueiro e os seus clientes. Sondagem sobre um homem notável, este documentário oferece uma mensagem de esperança: e se a miséria deixasse de ser uma fatalidade?


O veneno está na mesa

Documentário do diretor Silvio Tendler, apresentando que o Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.

http://tal.tv/video/o-veneno-esta-na-mesa

Livro

O Prof. Laurício Neuman sugeriu o filme A FORÇA DO POVO que registra a prática de uma administração municipal com a participação da comunidade na busca de soluções criativas e apropriadas à realidade local. Os protagonistas de Lages são os contadores de causos, músicos, trovadores e artesãos das "mostras do campo", jovens e adultos que participam dos encontros culturais, o pessoal das associações de moradores, dos núcleos agrícolas, das hortas comunitárias, agentes que fazem funcionar o programa de medicina comunitária, pessoas que constroem suas casas em mutirão e recolhem doações de materiais, crianças e professores que vivem uma nova pedagogia, pequenos comerciantes que se organizam numa associação, o grupo de teatro de bonecos Gralha Azul e um fazendeiro que critica esta opção administrativa comunitária.

O livro A FORÇA DO POVO pode ser acessado em: https://drive.google.com/file/d/0B_2nfmpfqzwAcENhZFdOelktQ0U/edit?usp=sharing.


Carta de princípios da Economia Solidária



1.Origem e cenário atual

A Economia Solidária ressurge hoje como resgate da luta histórica dos(as) trabalhadores(as), como defesa contra a exploração do trabalho humano e como alternativa ao modo capitalista de organizar as relações sociais dos seres humanos entre si e destes com a natureza.

Nos primórdios do capitalismo, as relações de trabalho assalariado - principal forma de organização do trabalho nesse sistema - levaram a um tal grau de exploração do trabalho humano que os(as) trabalhadores(as) organizaram-se em sindicatos e em empreendimentos cooperativados. Os sindicatos como forma de defesa e conquista de direitos dos/as assalariados/as e os empreendimentos cooperativados, de auto-gestão, como forma de trabalho alternativa à exploração assalariada.

As lutas, nesses dois campos, sempre foram complementares; entretanto a ampliação do trabalho assalariado no mundo levou a que essa forma de relação capitalista se tornasse hegemônica, transformando tudo, inclusive o trabalho humano, em mercadoria.

As demais formas (comunitárias, artesanais, individuais, familiares, cooperativadas, etc.) passaram a ser tratadas como "resquícios atrasados" que tenderiam a ser absorvidas e transformadas cada vez mais em relações capitalistas.

A atual crise do trabalho assalariado, desnuda de vez a promessa do capitalismo de transformar a tudo e a todos/as em mercadorias a serem ofertadas e consumidas num mercado equalizado pela "competitividade". Milhões de trabalhadores/as são excluídos dos seus empregos, amplia-se cada vez o trabalho precário, sem garantias de direitos. Assim, as formas de trabalho chamadas de "atrasadas" que deveriam ser reduzidas, se ampliam ao absover todo esse contingente de excluídos.

Hoje, no Brasil, mais de 50% dos trabalhadores/as, estão sobrevivendo de trabalho à margem do setor capitalista hegemônico, o das relações assalariadas e "protegidas". Aquilo que era para ser absorvido pelo capitalismo, passa a ser tão grande que representa um desafio cuja superação só pode ser enfrentada por um movimento que conjugue todas essas formas e que desenvolva um projeto alternativo de economia solidária.

Neste cenário, sob diversos títulos - economia solidária, economia social, socioeconomia solidária, humanoeconomia, economia popular e solidária, economia de proximidade, economia de comunhão etc, têm emergido práticas de relações econômicas e sociais que, de imediato, propiciam a sobrevivência e a melhora da qualidade de vida de milhões de pessoas em diferentes partes do mundo.

Mas seu horizonte vai mais além. São práticas fundadas em relações de colaboração solidária, inspiradas por valores culturais que colocam o ser humano como sujeito e finalidade da atividade econômica, em vez da acumulação privada de riqueza em geral e de capital em particular.

As experiências, que se alimentam de fontes tão diversas como as práticas de reciprocidade dos povos indígenas de diversos continentes e os princípios do cooperativismo gerado em Rochdale, Inglaterra, em meados do século XIX, aperfeiçoados e recriados nos diferentes contextos socioculturais, ganharam múltiplas formas e maneiras de expressar-se.

2. Convergências - O que é a Economia Solidária

Princípios gerais

Apesar dessa diversidade de origem e de dinâmica cultural, são pontos de convergência:

  1. a valorização social do trabalho humano,
  2. a satisfação plena das necessidades de todos como eixo da criatividade tecnológica e da atividade econômica,
  3. o reconhecimento do lugar fundamental da mulher e do feminino numa economia fundada na solidariedade,
  4. a busca de uma relação de intercâmbio respeitoso com a natureza, e
  5. os valores da cooperação e da solidariedade.

A Economia Solidária constitui o fundamento de uma globalização humanizadora, de um desenvolvimento sustentável, socialmente justo e voltado para a satisfação racional das necessidades de cada um e de todos os cidadãos da Terra seguindo um caminho intergeracional de desenvolvimento sustentável na qualidade de sua vida.

  1. O valor central da economia solidária é o trabalho, o saber e a criatividade humanos e não o capital-dinheiro e sua propriedade sob quaisquer de suas formas.
  2. A Economia Solidária representa práticas fundadas em relações de colaboração solidária, inspiradas por valores culturais que colocam o ser humano como sujeito e finalidade da atividade econômica, em vez da acumulação privada de riqueza em geral e de capital em particular.
  3. A Economia Solidária busca a unidade entre produção e reprodução, evitando a contradição fundamental do sistema capitalista, que desenvolve a produtividade mas exclui crescentes setores de trabalhadores do acesso aos seus benefícios.
  4. A Economia Solidária busca outra qualidade de vida e de consumo, e isto requer a solidariedade entre os cidadãos do centro e os da periferia do sistema mundial.
  5. Para a Economia Solidária, a eficiência não pode limitar-se aos benefícios materiais de um empreendimento, mas se define também como eficiência social, em função da qualidade de vida e da felicidade de seus membros e, ao mesmo tempo, de todo o ecossistema.
  6. A Economia Solidária é um poderoso instrumento de combate à exclusão social, pois apresenta alternativa viável para a geração de trabalho e renda e para a satisfação direta das necessidades de todos, provando que é possível organizar a produção e a reprodução da sociedade de modo a eliminar as desigualdades materiais e difundir os valores da solidariedade humana.

Princípios específicos

Por um sistema de finanças solidárias

  1. Para a Economia Solidária o valor central é o direito das comunidades e nações à soberania de suas próprias finanças. São alguns dos elementos fomentadores de uma política autogestionária de financiamento do investimento do nível local ao nacional:
  2. A nível local, micro, territorial: os bancos cooperativos, os bancos éticos, as cooperativas de crédito, as instituições de microcrédito solidário e os empreendimentos mutuários, todos com o objetivo de financiar seus membros e não concentrar lucros através dos altos juros, são componentes importantes do sistema socioeconômico solidário, favorecendo o acesso popular ao crédito baseados nas suas próprias poupanças.
  3. A nível nacional, macro, estrutural: a descentralização responsável das moedas circulantes nacionais e o estímulo ao comércio justo e solidário utilizando moedas comunitárias; o conseqüente empoderamento financeiro das comunidades; o controle e a regulação dos fluxos financeiros para que cumpram seu papel de meio e não de finalidade da atividade econômica; a imposição de limites às taxas de juros e aos lucros extraordinários de base monopólica, o controle público da taxa de câmbio e a emissão responsável de moeda nacional para evitar toda atividade especulativa e defender a soberania do povo sobre seu próprio mercado.

Pelo desenvolvimento de Cadeias Produtivas Solidárias

A Economia Solidária permite articular solidariamente os diversos elos de cada cadeia produtiva, em redes de agentes que se apóiam e se complementam:

  1. Articulando o consumo solidário com a produção, a comercialização e as finanças, de modo orgânico e dinâmico e do nível local até o global, a economia solidária amplia as oportunidades de trabalho e intercâmbio para cada agente sem afastar a atividade econômica do seu fim primeiro, que é responder às necessidades produtivas e reprodutivas da sociedade e dos próprios agentes econômicos.
  2. Consciente de fazer parte de um sistema orgânico e abrangente, cada agente econômico busca contribuir para o progresso próprio e do conjunto, valorizando as vantagens cooperativas e a eficiência sistêmica que resultam em melhor qualidade de vida e trabalho para cada um e para todos.
  3. A partilha da decisão com representantes da comunidade sobre a eficiência social e os usos dos excedentes, permite que se faça investimentos nas condições gerais de vida de todos e na criação de outras empresas solidárias, outorgando um caráter dinâmico à reprodução social.
  4. A Economia Solidária propõe a atividade econômica e social enraizada no seu contexto mais imediato, e tem a territorialidade e o desenvolvimento local como marcos de referência, mantendo vínculos de fortalecimento com redes da cadeia produtiva (produçáo, comercialização e consumo) espalhadas por diversos países, com base em princípios éticos, solidários e sustentáveis.
  5. A economia solidária promove o desenvolvimento de redes de comércio a preços justos, procurando que os benefícios do desenvolvimento produtivo sejam repartidos mais eqüitativamente entre grupos e países.
  6. A economia solidária, nas suas diversas formas, é um projeto de desenvolvimento destinado a promover as pessoas e coletividades sociais a sujeito dos meios, recursos e ferramentas de produzir e distribuir as riquezas, visando a suficiência em resposta às necessidades de todos e o desenvolvimento genuinamente sustentável.

Pela construção de uma Política da Economia Solidária num Estado Democrático

  1. A Economia Solidária é também um projeto de desenvolvimento integral que visa a sustentabilidade, a justiça econômica, social, cultural e ambiental e a democracia participativa.
  2. A Economia Solidária estimula a formação de alianças estratégicas entre organizações populares para o exercício pleno e ativo dos direitos e responsabilidades da cidadania, exercendo sua soberania por meio da democracia e da gestão participativa.
  3. A Economia Solidária exige o respeito à autonomia dos empreendimentos e organizações dos trabalhadores, sem a tutela de Estados centralizadores e longe das práticas cooperativas burocratizadas, que suprimem a participação direta dos cidadãos trabalhadores.
  4. A economia solidária, em primeiro lugar, exige a responsabilidade dos Estados nacionais pela defesa dos direitos universais dos trabalhadores, que as políticas neoliberais pretendem eliminar.
  5. Preconiza um Estado democraticamente forte, empoderado a partir da própria sociedade e colocado ao serviço dela, transparente e fidedigno, capaz de orquestrar a diversidade que a constitui e de zelar pela justiça social e pela realização dos direitos e das responsabilidades cidadãs de cada um e de todos.
  6. O valor central é a soberania nacional num contexto de interação respeitosa com a soberania de outras nações. O Estado democraticamente forte é capaz de promover, mediante do diálogo com a Sociedade, políticas públicas que fortalecem a democracia participativa, a democratização dos fundos públicos e dos benefícios do desenvolvimento.
  7. Assim, a Economia Solidária pode constituir-se em setor econômico da sociedade, distinto da economia capitalista e da economia estatal, fortalecendo o Estado democrático com a irrupção de novo ator social autônomo e capaz de avançar novas regras de direitos e de regulação da sociedade em seu benefício.

3. A Economia Solidária não é:

  1. A economia solidária não está orientada para mitigar os problemas sociais gerados pela globalização neoliberal.
  2. A Economia solidária rejeita as velhas práticas da competição e da maximização da lucratividade individual.
  3. A economia solidária rejeita a proposta de mercantilização das pessoas e da natureza às custas da espoliação do meio ambiente terrestre, contaminando e esgotando os recursos naturais no Norte em troca de zonas de reserva no Sul.
  4. A economia solidária confronta-se contra a crença de que o mercado é capaz de auto-regular-se para o bem de todos, e que a competição é o melhor modo de relação entre os atores sociais.
  5. A economia solidária confronta-se contra a lógica do mercado capitalista que induz à crença de que as necessidades humanas só podem ser satisfeitas sob a forma de mercadorias e que elas são oportunidades de lucro privado e de acumulação de capital.
  6. A economia solidária é uma alternativa ao mundo de desemprego crescente, em que a grande maioria dos trabalhadores não controla nem participa da gestão dos meios e recursos para produzir riquezas e que um número sempre maior de trabalhadores e famílias perde o acesso à remuneração e fica excluído do mercado capitalista.
  7. A economia solidária nega a competição nos marcos do mercado capitalista que lança trabalhador contra trabalhador, empresa contra empresa, país contra país, numa guerra sem tréguas em que todos são inimigos de todos e ganha quem for mais forte, mais rico e, freqüentemente, mais trapaceiro e corruptor ou corrupto.
  8. A economia solidária busca reverter a lógica da espiral capitalista em que o número dos que ganham acesso à riqueza material é cada vez mais reduzido, enquanto aumenta rapidamente o número dos que só conseguem compartilhar a miséria e a desesperança.
  9. A economia solidária contesta tanto o conceito de riqueza como os indicadores de sua avaliação que se reduzem ao valor produtivo e mercantil, sem levar em conta outros valores como o ambiental, social e cultural de uma atividade econômica.
  10. A Economia solidária não se confunde com o chamado Terceiro Setor que substitui o Estado nas suas obrigações sociais e inibe a emancipação dos trabalhadores enquanto sujeitos protagonistas de direitos. A Economia Solidária afirma, a emergência de novo ator social de trabalhadores como sujeito histórico.


junho de 2003, III Plenária Nacional da Economia Solidária



Disponível em:

http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=63&Itemid=60

https://drive.google.com/file/d/0B_2nfmpfqzwAR0dfNURpWWZOdWM/edit?usp=sharing

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

vem!



Agosto:
A economia solidária como alternativa à globalização econômica. Experiências práticas  - Profa. Dra. Vera Regina Schmitz - UFRGS


Inscrições por etapa:
fepoliticaetrabalho@gmail.com 
e (54) 3211-5032

VAGAS LIMITADAS

Investimento: R$80 por etapa
O valor inclui hospedagem, refeições e materiais.

Horário: das 8h30 do sábado às 14h do domingo
Local: Centro de Formação Pastoral - B. Colina Sorriso - Caxias do Sul



Mais sobre o curso - esta etapa e as seguintes:

Setembro:
Democracia participativa: políticas públicas e sociais, espaços de participação e controle social - Profa. Dra. Marilene Maia – Unisinos   
Projeto de uma sociedade sem exclusão a partir da Bíblia - Antigo Testamento - Prof. Dr. Pedro Kramer - FAPAS 

Outubro:
Bioética. Reverência à vida, cuidado e a responsabilidade pelo outro. Consciência crítica frente à tecnociência, biotecnologia, biopoder, nanotecnologia e saúde pública. - Prof. Dr. José Roque Junges – Unisinos
Projeto de uma sociedade sem exclusão a partir da prática de Jesus Cristo - Prof. Dr. Pedro Kramer – FAPAS

Novembro:
Sustentabilidade do Planeta e da sociedade - Prof. Ms. Gilberto Antônio Faggion - Unisinos  
As questões de gênero e a inclusão das «minorias» - Profa. Dra. Cleusa Maria Andreatta - Unisinos

Dezembro:
A fé como inspiradora da prática da justiça social, da ética, da política e da solidariedade. - Prof. Ms. Flávio Guerra – ESTEF


Mais informações:


domingo, 10 de agosto de 2014

A economia solidária como alternativa à globalização econômica. Experiências práticas





Inscrições por etapa: fepoliticaetrabalho@gmail.com e (54) 3211-5032
VAGAS LIMITADAS
Investimento: R$80 por etapa
O valor inclui hospedagem, refeições e materiais.

Horário: das 8h30 do sábado às 14h do domingo
Local: Centro de Formação Pastoral - B. Colina Sorriso - Caxias do Sul

Mais sobre o curso - esta etapa e as seguintes:
Agosto:
A economia solidária como alternativa à globalização econômica. Experiências práticas  - Profa. Dra. Vera Regina Schmitz - FACCAT e ESCOOP 

Setembro:
Democracia participativa: políticas públicas e sociais, espaços de participação e controle social - Profa. Dra. Marilene Maia – Unisinos   
Projeto de uma sociedade sem exclusão a partir da Bíblia - Antigo Testamento - Prof. Dr. Pedro Kramer - FAPAS 

Outubro:
Bioética. Reverência à vida, cuidado e a responsabilidade pelo outro. Consciência crítica frente à tecnociência, biotecnologia, biopoder, nanotecnologia e saúde pública. - Prof. Dr. José Roque Junges – Unisinos
Projeto de uma sociedade sem exclusão a partir da prática de Jesus Cristo - Prof. Dr. Pedro Kramer – FAPAS


Novembro:
Sustentabilidade do Planeta e da sociedade - Prof. Ms. Gilberto Antônio Faggion - Unisinos  
As questões de gênero e a inclusão das «minorias» - Profa. Dra. Cleusa Maria Andreatta - Unisinos

Dezembro:
A fé como inspiradora da prática da justiça social, da ética, da política e da solidariedade. - Prof. Ms. Flávio Guerra – ESTEF



Mais informações:

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

"Los nietos son argentinos desaparecidos vivos que están cerca, esperando que los encontremos. Es de todos esta tarea." Estela de Carlotto

Visión 7 - Apareció Guido, el nieto de Estela de Carlotto

Visión 7 - De Pedro: "La sociedad avanzó, creció"
https://www.youtube.com/watch?v=ab6mYXz1aDw


Visión 7 - "Se cumplió lo que decíamos, él me buscó", dijo Estela, sobre su nieto Guido

Visión 7 - Apropiación de Guido: La investigación judicial
https://www.youtube.com/watch?v=UI4Eipcpq44


Visión 7 - La vida de Estela de Carlotto
https://www.youtube.com/watch?v=IsbbwDtr1ZU



...............................................................................................
Luego de 37 años de búsqueda se reencontró con su nieto. (Foto: Archivo)
Luego de 37 años de búsqueda se reencontró con su nieto. (Foto: Archivo)

Fecha de publicación 5 agosto 2014

El nieto de Estela, cuyo nombre para la familia es Guido Carlotto, es hijo de Laura Estela Carlotto, secuestrada en noviembre de 1977.

La asociación Abuelas de Plaza de Mayo encontró al nieto de Estela de Carlotto luego de 37 años de búsqueda y lucha por las víctimas de la última dictadura militar, anticipó CN23.

Mediante un contacto con teleSUR, Edgardo Esteban, corresponsal en la nación suramericana, confirmó la noticia.

La presidenta de Abuelas de Plaza de Mayo se encuentra reunida con su nieto en la ciudad de La Plata. La jueza María Servini de Cubría fue la que ordenó el cotejo de pruebas de ADN del joven que fue apropiado por un militar de alto rango.

"Estamos muy felices por la noticia. Lo único que puedo contar es que se trata de un músico y que se realizó el estudio de ADN voluntariamente",

Guido Carlotto

El nieto de Estela, cuyo nombre para la familia es Guido Carlotto, es hijo de Laura Estela Carlotto, secuestrada en noviembre de 1977.

La joven estuvo detenida clandestinamente en el centro La Cacha, en la ciudad de La Plata, hasta el parto, que se realizó en el Hospital Militar de Buenos Aires el 26 de junio de 1978.

Estela de Carlotto ayudó a recuperar a más de cien nietos nacidos en cautiverio y apropiados ilegalmente por funcionarios y militares de la última dictadura militar.

Este video - realizado por la Casa Rosada - fue realizado a 37 años del golpe de Estado cívico militar en Argentina y conmemora el Día de la Memoria, Verdad y Justicia -  24 de Marzo. Día de la Memoria, Verdad y Justicia. Estela de Carlotto: https://www.youtube.com/watch?v=MFqsxfIXzt8

http://www.telesurtv.net/news/Estela-de-Carlotto-ya-esta-con-su-nieto--20140805-0057.html

.............................................

A mi querido nieto Guido

 Por Estela de Carlotto

"Buenos Aires, 26 de junio de 2011

Hoy cumples 33 años. La edad de Cristo como decían, "decimos", las viejas. Con esta inspiración pienso en los Herodes que "te mataron" en el momento de nacer al borrar tu nombre, tu historia, tus padres. Laura (María), tu madre, estará llorando en este día tu crucifixión y desde una estrella esperará tu resurrección a la verdadera vida, con tu real identidad, recuperando tu libertad, rompiendo las rejas que te oprimen.

Querido nieto, qué no daría para que te materialices en las mismas calles en las que te busco desde siempre. Qué no daría por darte este amor que me ahoga por tantos años de guardártelo. Espero ese día con la certeza de mis convicciones sabiendo que además de mi felicidad por el encuentro tus padres, Laura y Chiquito y tu abuelo Guido desde el cielo, nos apretarán en el abrazo que no nos separará jamás.

Tu abuela, Estela."



La Carta que Estela le envió a su nieto

https://www.youtube.com/watch?v=N0unuxYcq7g

..........................................................................



#LaFoto: Fotografía de Estela de Carlotto y su hija, Laura Carlotto antes de ser secuestrada por la dictadura. La presidenta de la organización humanitaria Abuelas de Plaza de Mayo, Estela Carlotto, recuperó este martes a su nieto, de 36 años, quien había sido robado por la dictadura argentina tras nacer durante el cautiverio de su madre.

.............................................






La vida te devuelve amor, Estela. 
A vos que tanto diste, a vos que esperanzaste la tristeza. 
Qué pintaste de sol tanta melancolía.
Qué alegría más grande, que consuelo,
abuela de la vida y de todos nosotros.
Madre inmensa!

Víctor Heredia
Caracas, agosto de 2014


...................................................................................

Estela nuestra

Me imagino el sol desde este sol intenso de Caracas
pero el sol de tus ojos, Estela, que tanta felicidad nos diste a cada paso de tu tarea intensa, abuela inmensa, madrecita.
El luminoso fuego del destello de los ojos de un sueño
Que buscabas con pasión, por vos y por nosotros.
No sé que pensarán los detractores, los cómplices absurdos de tanta hipocresía, pero yo siento una alegría que pinta de esperanza nuestras sombras.
Ayer hablábamos que un día... Que alguna vez nos llegaría la voz, la risa, la mirada que nos haría saber que no se fueron sin retoñar los nuestros, nuestros chicos. 
Te dije que guardábamos un cielo para ubicar allí la algarabía, la campanada, el canto. Mi madre y yo, Yamila si algún día...
Acabo de enterarme y estoy aquí parado en esta tarde que parece mejor que ninguna otra, Estelita querida, abuela de la vida. 
¡Qué alegría!

Víctor Heredia

...............................................................


Se acerca un secretario y me dice: "Encontraron al nieto de Estela". Por un instante, aunque parezca mentira, me quedo muda. Me viene a la mente la imagen de Estela ayer por la noche en la Rosada, en el acto en el Salón de las Mujeres Argentinas. Había llegado tarde y tuvieron que agregarle una silla. La saludé agitando mi mano.

Esa misma noche, antes de irme, una artista, Guillermina Grinbaum, me alcanza una obra de su autoría y me dice: "Tomé como imagen la de Estela Carlotto". El cuadro se llama "Madre". Que increíble, ¿no? Postergamos esa visita 3 veces y justo anoche me lo dio.

Recobro el aliento y la llamo de inmediato. Ella estaba saliendo del juzgado y yo estaba llorando. Me cuenta que es músico, que vive en Olavarría, y lo más importante: se sometió voluntariamente al examen de ADN. Se la nota contenta, emocionada, plena: "Me estoy yendo a Abuelas. Allí están mis hijos y voy a dar una conferencia de prensa para informar. ¿Te das cuenta Cristina?" Claro... ¿Cómo no me voy a dar cuenta? Cuánto tiempo. Cuánta lucha. Cuánto sufrimiento.

No puedo evitar recordar a Néstor. Él, un optimista reincidente, siempre me decía: "Vas a ver, Estela va a terminar encontrando a su nieto". No se equivocó. 

Siempre decíamos que más temprano que tarde, sabremos más y más. No tengo dudas. Lo más importante: el conocimiento de la Verdad, la persistencia de la Memoria y el triunfo de la Justicia en serio. Memoria, Verdad y Justicia. Pilar fundante de esta Argentina que estamos construyendo. 

Hoy Estela estará por fin junto a todos sus nietos. Hoy Guido, su nieto, recuperó su verdadera identidad. Hoy, por fin, Laura, su madre, podrá descansar en paz. 

Hoy, la Argentina es un país un poco más justo que ayer.




#LaFoto: La presidenta de #Argentina, Cristina Kirchner se refirió al hallazgo del nieto de Estela de Carlotto



"Hoy, la Argentina es un país un poco más justo que ayer"

21:22 | La mandataria habló desde su cuenta oficial de Twitter sobre la recuperación del nieto 114, nieto de Estela de Carlotto y abanderado del día más importante del año. "Memoria, Verdad y Justicia. Pilar fundante de esta Argentina que estamos construyendo", sostuvo.

http://www.diarioregistrado.com/sociedad/99011-hoy--la-argentina-es-un-pais-un-poco-mas-justo-que-ayer.html



15:56 › TRAS 36 AÑOS DE BUSQUEDA APARECIO GUIDO CARLOTTO

"Los espera la libertad y el amor, los vamos a hacer libres"

La presidenta de Abuelas de Plaza de Mayo, Estela de Carlotto, rodeada por su familia biológica y de lucha, afirmó que su hija Laura, la madre de Guido, el nieto recuperado 114, de cuyo asesinato se cumplirá pronto un nuevo aniversario, "va a sonreír desde el cielo (…) porque yo nunca fui de lucha abierta pero ella les decía a sus captores que 'mi mamá no se va a olvidar de lo que nos están haciendo". Aunque no reveló su identidad, que sí trascendió desde el juzgado de María Servini de Cubría, Estela relató que su nieto Guido "se parece a los Carlotto y a los Barnes, es hermoso, es un artista, un tipo bueno. Él nos buscó, y se cumplió lo que decimos siempre: ellos nos van a buscar a nosotras". Estela repitió que "nosotras no hacemos más que reclamar memoria, verdad y justicia". "La silla (de Laura) seguirá vacía pero para aquellos que pretenden que demos vuelta la página, la recuperación de la identidad de Guido es una reparación para él, para la familia y para todos los argentinos". Más adelante, Estela afirmó que "otras abuelas tienen que sentir lo que siento yo: lo que yo quería era no morirme sin abrazarlo", y desafió al dictador Reynaldo Bignone "a decirme que lo persigo". Reivindicó a la Justicia y advirtió que "hay que nutrirla porque no queremos ue esta historia se repita".

El secretario de Derechos Humanos de la provincia de Buenos Aires, Guido Carlotto, hijo de Estela y homónimo del nieto recuperado, el 114, había adelantado que "por cuestiones legales lo único que puedo contar es que se trata de un músico y que se realizó el estudio de ADN voluntariamente". El 25 de agosto de 1978 la Policía entregó a los Carlotto el cuerpo asesinado de Laura, quien fue secuestrada estando embarazada y según testigos pudo estar con su hijo Guido sólo cinco horas. Desde entonces Estela, junto con otras Abuelas de Plaza de Mayo, encaró una larga búsqueda. "A pesar de todo, mi fe está enterita. Será porque no tengo rencor, no tengo sentimientos que me envenenan", dijo hace algunos años.

El 26 de junio de 2011, Estela publicó en Página/12 una carta A mi querido nieto Guido: "Hoy cumples 33 años. La edad de Cristo como decían, 'decimos', las viejas. Con esta inspiración pienso en los Herodes que 'te mataron' en el momento de nacer al borrar tu nombre, tu historia, tus padres. Laura (María), tu madre, estará llorando en este día tu crucifixión y desde una estrella esperará tu resurrección a la verdadera vida, con tu real identidad, recuperando tu libertad, rompiendo las rejas que te oprimen. Querido nieto, qué no daría para que te materialices en las mismas calles en las que te busco desde siempre. Qué no daría por darte este amor que me ahoga por tantos años de guardártelo. Espero ese día con la certeza de mis convicciones sabiendo que además de mi felicidad por el encuentro tus padres, Laura y Chiquito y tu abuelo Guido desde el cielo, nos apretarán en el abrazo que no nos separará jamás".

http://www.pagina12.com.ar/diario/ultimas/20-252291-2014-08-05.html